quinta-feira, 20 de abril de 2017

Projeto para aprender outro idioma ou como aprender Inglês






Em um post recente, falamos sobre o estudo de idiomas:




E hoje retornamos ao tema…


O meu amigo Adilton andava estudando Japonês. Ele me explicou que o idioma possui 5000 ideogramas – que são aquelas “coisinhas” que eles desenham para formas as palavras. Como se fossem as nossas letras, saca? Já pensou um alfabeto com 5000 letras? Será por isso que os japoneses são tão inteligentes? Ou é burrice criar uma forma de comunicação tão complexa?


Falando em Japonês e em 5000, também lembrei da lenda da secretária que ganhava uma nota aqui em Fortaleza porque sabia falar Japonês.





O meu amigo Alexandre foi fazer doutorado na Argentina. Depois de uns anos, cada e-mail que chegava vinha misturando palavras em Português e em Espanhol. E eu posso?





A minha colega Núbia ama o Francês e quase todos os dias eu ganho um bonjour dela. Bom dia pra ela também. Ou bonjour sei lá. :P





Vou falar também dos gêmeos Raviel e Rafael. É legal que eles curtem os meus posts e eu nunca sei quem é quem.


O Raviel foi bater na Hungria através do programa Ciência Sem Fronteiras. Ele fala Inglês e Espanhol fluentemente, já estudou um ano de Húngaro e atualmente estuda Holandês. Tenho muito orgulho desse cara. A pessoa chegar na Hungria saindo de Várzea Alegre é muito foda.





O Rafael foi pra Argentina e agora fala Espanhol fluentemente, além de Inglês fluente e atualmente ele estuda Coreano (fã do K-Pop). Fico só imaginando as conversas desses bichos em casa. E o desespero da mãe deles sem entender nada. :P





E esse post é igual ao programa do João Kléber. Não sai daí não que já, já, daqui a pouquinho, logo, logo, eu vou te ensinar a aprender Inglês…


A minha filha Isabela, aos 4 anos, já fala Português muito bem. Ela entende um pouco das regras e apresenta um ótimo vocabulário, acerta concordâncias, plurais… coisa linda. Principalmente quando ela está “facando” as suas massinhas.



[Isabela escrevendo em Inglês]




[No vídeo, a Isabela, à época com 3 anos,
“lendo” a história da chapeuzinho vermelho] 


Quando estivemos em Jericoacoara, tinha um pivete de 3 anos na pousada que já arranhava em 3 idiomas, graças às viagens da família. Muito massa. Espero que ele não tenha surtado.


E tem outro amigo nosso que eu não vou poder revelar o nome dele aqui que sempre caía nessa:


Fulano, lá nos Estados Unidos as crianças são inteligentes demais. Tu acredita que toda criança de 3 anos lá já sabe falar Inglês?


Também vou falar aqui do Senhor que abriu o seu discurso na cerimônia das Olimpíadas com um hoy pausado e a metade do estádio respondeu “oi”. Também temos que dar um desconto por ser no Brasil, né? Metade deve ter entendido que era uma saudação “oi” e a outra metade entendeu o que era, mas respondeu assim mesmo para não perder a oportunidade de frescar. ;)


E eu sigo aqui cozinhando o post e marcando os meus amigos para aumentar a audiência do blog. :P Logo, logo, eu vou te ensinar a aprender Inglês… É já, já. Fica aí.


Eu estudo Português praticamente desde que nasci. Há dois anos, li a gramática do Mestre Azeredo para aperfeiçoar a minha escrita.







À época do vestibular, me orientaram assim:


Olha, o pessoal do Inglês e dos demais idiomas vem pra tirar 10. Você vai ter mais chances estudando Espanhol.


E foi assim que eu estudei Espanhol por um ano. Por sinal, uma língua que eu adoro.






Eu estudei Inglês também praticamente a minha vida inteira. Desde os primeiros anos de escola, onde todo ano “aprendíamos” o verbo to be. Fiz 1 semestre na mitológica Casa de Cultura Britânica da Universidade Federal do Ceará. Também fiz alguns semestres em uma escola de idiomas paga e “tradicional”. E, atualmente, estou fazendo um cursinho EAD com a ajuda da empresa onde trabalho. Será que eu não aprenderei?





(Lá na UFC tinha o curso de Esperanto, mas não lembro se conheço alguém que estudava esse idioma.)


E quem nunca usou uma camiseta com frases “estranhas” em Inglês? Mesmo sem entender o que estava escrito ou até mesmo se estava escrito corretamente? E quando alguém te perguntava: o que está escrito?







Em 2015, estávamos em um churrasco muito agradável na serra de Guaramiranga quando apareceu uma turma de escoceses. Eu me escondi na churrasqueira o quanto pude, mas, altas horas e altas cervejas depois, comecei a falar Inglês com os caras de uma forma que eu jamais imaginei ser possível. Bendita cerveja. Digo, estudo.


Esse dia foi louco. A escocesa chegou falando algo parecido com “grata” e a minha esposa logo mandou um “por nada”. E só depois alguém explicou que ela estava dizendo o nome dela: “Greta”. Rimos bastante.






Eu aprendi a desenvolver sistemas junto com o meu amigo Hárley. Lá em 1998, lá nos cafundós de Várzea Alegre a gente já fazia sites. E não é que ele foi implantar um sistema em Londres? Meu ídolo! #mito


Por sinal, o cara sumiu. Será que ele ainda tá em Londres?


Também andei trocando uns e-mails em Inglês com o pessoal que dá suporte para o meu site e, ainda, com o meu brother Eduardo.


Cito ainda o meu amigo David Banhos: sempre que eu estava resmungando de alguma coisa ele me dizia: C'est la vie.


E o José Júnior ficou embasbacado com a ideia: como é que você não sabe Inglês e vai ensinar a aprender Inglês?



E você pode participar pelos comentários dizendo quais são os seus idiomas.









Por que aprender outro idioma?


  • Poder viajar e conhecer outros lugares, povos e culturas. Aprende para viajar. Viaja para aprender;
  • Trabalhar. No mundo globalizado pode ser necessário falar em outros idiomas no seu trabalho;
  • Estudar. Obviamente, quando você conhece outros idiomas, você aumenta as suas fontes de estudo;
  • Entretenimento. A diversão de estudar outro idioma e o imenso cardápio de opções de entretenimento (filmes, séries, livros, músicas…) disponível em outros idiomas;
  • Curiosidade. Saber como se comunicam outros povos em outras línguas;
  • Autoestima. Dizer “eu sou foda, eu sei falar _________”.











Como aprender Inglês?


Ô povo ansioso esse aqui do blog. É brincadeira, viu? Não escrevi nem 1000 palavras ainda e o pessoal só querendo saber logo como é a parada…


Por que diabos eu ainda não aprendi Inglês depois de mais de 20 anos estudando? Eu sou tapado? Ou eu estou utilizando os métodos errados?


E foi nessa que o Izequiel enviou pelo WhatsApp o “Guia definitivo para aprender Inglês”. Depois de uns dias, consegui pegar o bichinho pra ler e eu fiquei maravilhado.


E não é que é assim, mesmo?
Como é que Isabela fala Português tão bem se ela não sabe ler e nunca pegou nem na capa de uma gramática?


O Guia foi elaborado pelo Mairo Vergara que é um especialista em aprender idiomas. Há mais de uma década ele estuda as técnicas de famosos poliglotas e vêm compilando tudo isso no seu guia.


Pense com ele: como é que você vai aprender um idioma em 2 aulas semanais de 1 hora de duração falando com um bando de gente que não sabe falar? Como começar aprendendo gramática? O livro te dá dois exemplos e te pede pra responder 10 exercícios em seguida? Alow!


E os cursinhos têm que mostrar logo resultados. Eles te botam pra falar desde o primeiro dia pra você ter a ilusão de que “já está falando” e não desistir do cur$o.







Quando Isabela falou “papai” ela já ouvia Português há uns 2 anos.


Então, o Mairo diz que devemos aprender um idioma da mesma forma natural que uma criança nativa:


  1. Aprenda a ouvir
  2. Aprenda a ler
  3. Aprenda a falar
  4. Aprenda a escrever


(Embora as crianças falem bem antes de ler.)


Depois que você sabe o segredo, parece até meio imbecil: devemos aprender um idioma da mesma forma natural que uma criança nativa.


Mas faz todo o sentido!


Aprender um idioma é dominar uma nova habilidade. Da mesma forma quando você aprende um esporte ou aprende a tocar um instrumento, você precisa praticar bastante por várias e várias horas ao longo de vários e vários anos. É preciso disciplina, foco e persistência.


Algumas dicas do Guia:
  • Ouvir bastante Inglês – como uma criança nativa, lembra?
  • Ouvir Inglês de nativos – que sabem falar Inglês corretamente;
  • No começo, você não vai entender nada. Com o tempo, a fala vai ficando mais “devagar”;
  • Ouça o mesmo texto várias vezes. Até cinquenta vezes, se preciso. Até você decorar o texto em Inglês. Até aquelas frases e sons se incorporarem ao seu cérebro. Na marra!
  • Entenda o texto. O que está sendo dito;
  • Abstraia a gramática. Gramática só no nível mais avançado ou para regras mais específicas;
  • Nunca decore palavras e, sim, sentenças (frases) inteiras.
  • Utilize um software para te ajudar a memorizar infinitas frases. Como na época do colégio. Decorar, mesmo. Na marra!
  • Quando você souber ouvir em Inglês, estará muito perto de saber falar (por repetição). Lembra da Isabela?
  • Quando você souber ler em Inglês, estará muito perto de saber escrever em Inglês.


O guia é um PDF de 66 páginas e eu recomendo fortemente que você o leia. Mesmo que não pretenda aprender Inglês e mesmo que não vá seguir esse método, leia para abrir um pouco a sua mente. O Guia também apresenta vídeos para quem prefere absorvê-lo através desta mídia.


O Guia foca no Inglês porque ele traz várias fontes para estudos nesse idioma: textos, vídeos, áudios, dicionários… Mas as dicas servem para o aprendizado de idiomas em geral.


No link a seguir, é possível se cadastrar e receber o PDF em seu e-mail:




No vídeo abaixo, um “resumo” do guia e da metodologia:








O site MairoVergara.com (www.mairovergara.com) é um Portal de Estudos de Inglês, com dezenas de artigos, vídeos e materiais para você estudar.” Tudo gráti$!




Eles têm uma modalidade de cursos pagos, mas eu quero destacar aqui a infinidade de material para você estudar de graça. Só depende de você, meu chapa e minha chapa! A culpa não é de mais ninguém.


A molezinha é tanta que ele ainda manda um e-mail na semana com o resumo de todo o material adicionado ao site.


Outro bom site gratuito para estudar Inglês é esse aqui ó:




Agora é com você! ;)




Política de transparência do blog


Eu não conheço o Mairo Vergara pessoalmente. Eu conheço o Mairo Vergara como pessoa pública que ele é e através do trabalho dele.


O Mairo Vergara não me pagou para fazer esse post. Na verdade, ele nem sabe que eu existo.


O blog é um projeto pessoal meu que eu executo praticamente sozinho. Sou eu quem escrevo. Sou eu quem produzo. Sou eu quem patrocino. E sou eu quem pago ao Facebook para divulgar os posts.


Eu escolho os temas dos posts. Às vezes, contando com colaborações dos leitores. Assuntos que eu goste, que eu entenda que conseguirei desenvolver o post e que tenham alguma utilidade para a audiência.


Quem é meu amigo ou acompanha o meu trabalho sabe que eu gosto de compartilhar coisas que eu acho que vão melhorar as vidas das pessoas. E foi com esse intuito que eu fiz esse post.


Hugs.



Ei, psiu, se liga…
Dá para ficar sabendo das novidades do blog pelas redes sociais. Sigam-me os bons!


        

Conheça a minha obra completa em:

4 comentários:

  1. This post was amazing. You are great writer. Felicitaciones por su hermoso trabajo. Nos damos cuenta que de verdad aprendemos um idioma, when you start dream speaking in this language. A huge hug my friend. Alexandre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou responder em Esperanto.
      Não, vou responder em Português, mesmo.
      Valeu, Alexandre!

      Excluir
  2. Descubra o esperanto: https://esperanto.blog

    ResponderExcluir