quarta-feira, 14 de junho de 2017

5 anos trabalhando no mesmo projeto






Uma máxima em gerenciamento de projetos é: “o bom de se trabalhar com projetos é que logo, logo você está trabalhando em outro projeto”.


No meu caso, “logo” tem valido 5 anos – o tempo em que eu estou no atual projeto – ou 15% de toda a minha vida.


Quando eu fui alocado para esse projeto, em junho de 2012, Alânia ainda estava grávida:







Hoje, Isabela já sabe todas as letras do alfabeto.


Eu viajava muito pelo projeto e, para matar a saudade, tive a ideia de incluir uma foto dela na apresentação para o cliente.






Foi um sucesso. Servia como quebra-gelo inicial para as futuras discussões quentes que teríamos. Servia também como um indicador do tempo passando no projeto.


Eu mantive a ideia durante algum tempo e vou brincar com isso também aqui no post.






E aí, quanto tempo você aguenta fazendo a mesma coisa? Na mesma profissão? No mesmo emprego? Trabalhando no mesmo projeto? No mesmo cargo? Na mesma atividade? Morando na mesma cidade? Na mesma casa? Com a mesma pessoa?


Eu fui gerente de projetos durante boa parte desses 5 anos. Mas também fui programador e analista de negócio. Também fui analista de requisitos, projetista e, o que sempre sou, analista de sistemas.


Quando eu saí da gestão, eu sempre fazia a metáfora do bando de pássaros voando. O pássaro que vai à frente faz um esforço muito maior para “quebrar” a força do vento. Os outros vêm no vácuo, “descansando”. Quando o líder cansa, um novo líder reassume e, dessa forma, a equipe toda consegue ser bem mais produtiva.






Nós estamos desenvolvendo um sistema enorme e que, além disso, ainda depende de vários outros sistemas. É um sistema financeiro de grande importância para o Estado brasileiro, pois distribui 44 bilhões de reais por mês para mais de 34 milhões de brasileiros. Dá pra ver que é uma enooorme respon$$$a.


Um colega mais experiente disse que fazer 95% desse sistema seria fácil. A dureza seria os outros 5%.


Posso falar também no gerenciamento de projetos Safadão. É aquele projeto que voa tranquilamente até os 99%, mas aí chega naquele 1%, sabe, aquele 1%? Daí, o projeto empaca e a equipe fica morrendo para concluí-lo.


Foi disso tudo que eu fui buscar inspiração no filme A Vida é Bela e pensei em alguma brincadeira para tornar o projeto mais lúdico.


Eu bolei uma barra colorida que, quanto mais verde ela ficasse, significava que mais estávamos perto do fim do projeto.


A equipe tinha que olhar aquela barra de tempos em tempos para se motivar com a evolução do projeto, uma evolução registrada visualmente.


Agora, nós chegamos a 99,96% de conclusão e a droga da barra está “toda” verde. Só há um vermelhinho invisível a olho nu, mas que está nos dando uma canseira.






Você sabe como relacionamentos são complicados. Quem nunca brigou ou ficou puto com os pais ou com os irmãos ou com os filhos ou com os parceiros ou com os colegas de trabalho?


Não é fácil trabalhar 5 anos com as mesmas pessoas na pressão para entregar um projeto desafiador.







Há sempre uma competição latente para ver quem é o melhor, quem vai ser promovido, quem vai dar a melhor ideia, quem vai ter a sua solução aprovada pelos demais…


Todo mundo já traz um caminhão de problemas de casa. Juntam-se as rusgas, os atritos, os mal entendidos… E isso 8 horas por dia durante 5 anos.


Daí haja churrasco, happy hour, festas, aniversários, almoços, cervejas… Pra ver se junta todos os cacos de novo.


É preciso muita empatia, tolerância, paciência, respeito, saber ouvir, saber pedir desculpas e, principalmente, usar fones de ouvido.






Nesses 5 anos, eu presenciei muita gente passando pelo projeto. Gente que pediu para sair do projeto ou foi realocada por necessidades da própria empresa. Gente que pediu para sair da empresa para trabalhar em outro lugar. E, acreditem, teve gente da minha equipe que pediu para sair até do BRASIL!


Muita gente me pergunta “por que eu almoço sozinho?”. Além de todas as questões logísticas e operacionais, é também uma forma de preservar os relacionamentos. De ter um tempo para mim, para “meditar” um pouco e fazer um detox dos pequenos atritos diários.







Todo dia eu preciso me olhar no espelho, dirigir 10 km e ter fé que o projeto vai dar certo.






E é isso o que eu farei novamente amanhã: estudar como dar fim nesse 0,04%.


Saudações.


Ei, psiu, se liga…
Dá para ficar sabendo das novidades do blog pelas redes sociais. Sigam-me os bons!


        

Conheça a minha obra completa em:

2 comentários:

  1. Perfeito! E tenha certeza que as pessoas são a parte mais importante do seu projeto; seja Isabela (a poderosa chefinha), seja seus colegas de trabalho, ou as milhares de pessoas que se beneficiam do seu trabalho e nem mesmo lhe conhecem. Você é show meu brother!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amorzinho.
      Lembrando que as pessoas estão no CAPÍTULO UM do nosso livro Fazendo um Projeto dar Certo.

      Excluir